Dicas para a Redução do Desperdício

No último post falei sobre a redução do desperdício alimentar. Já que estamos no mês de Julho (em que, devido ao desafio Plastic Free July, me obrigo a ter ainda mais cuidado com esta questão do desperdício), gostava de continuar com o tema mas agora em relação aos bens de consumo no geral.

Há uns anos atrás, quando se começou a falar mais sobre as questões ambientais, a reciclagem passou a ser recomendada e hoje em dia acho que já é prática comum para a maioria das pessoas (felizmente!). Mas reciclar não é tudo… Sei que há muita gente que acha que já está a fazer a sua parte ao fazer a reciclagem mas podemos contribuir muito mais se começarmos um pouco atrás na cadeia de consumo. E é isso que nos diz a política dos 5Rs da Bea Johnson (a guru do Desperdício Zero):

Regras Base para Minimizar o Desperdício

1) Recusar aquilo que não necessitamos

2) Reduzir o que necessitamos

3) Reutilizar aquilo que consumimos

4) Reciclar aquilo que não conseguimos recusar, reduzir ou reutilizar

5) Fazer compostagem (Rot)

Devemos começar por recusar tudo o que não precisamos e minimizar o que precisamos. É muito importante refletirmos se um determinado bem é efetivamente necessário ou se é apenas fruto da sociedade de consumo em que vivemos. Tantas vezes compramos e usamos coisas que não são essenciais… Só estes 2 primeiros passos vão fazer uma diferença ENORME na redução do desperdício. E vão-nos levar a uma sensação cada vez maior de desapego dos bens materiais (e que sensação tão boa…). Segue-se a fase de reutilizar aquilo que consumimos, para depois sim reciclar o que não é possível ser eliminado nos 3 passos anteriores. O passo final, apenas possível para alguns, é fazer a compostagem dos resíduos.

Deixo 3 dicas que fazem já parte das minhas rotinas e que também poderão implementar facilmente:

Recusar os sacos de plástico nas lojas e andar sempre com sacos de pano connosco (eu se não tiver os meus sacos simplesmente não compro!).

Fazer iogurtes em casa: há cerca de 1 ano comprei a maravilhosa Yogurt Nest e desde então tenho-me deliciado com os meus iogurtes caseiros e poupado imensas embalagens plásticas. A grande vantagem da Yogurt Nest comparativamente às máquinas de iogurtes é que não é necessária eletricidade (para além de se poder fazer maior quantidade de cada vez e também poder ser usada como slow cooker para cozinhar arroz, sopa ou vegetais). Fica prometido um outro post com as receitas, por enquanto deixo-vos explorar esta ideia. 🙂

Fazer desodorizante em casa: para além de se poupar as embalagens plásticas, evitamos os ingredientes nocivos à saúde dos desodorizantes de compra. Esta é a minha receita de desodorizante preferida e que comigo resulta muito bem. Faz-se em 5 minutos e dura mais de 1 ano! Não é fantástico? 🙂

Desodorizante Caseiro

– 5 colheres de sopa de óleo de côco
– 1 colher de sopa de óleo de amêndoas doces
– 3 colheres de sopa de amido de milho (farinha Maizena)
– 3 colheres de sopa de bicarbonato de sódio (em pó fino)
– 12 a 15 gotas de óleo essencial de alfazema (opcional)

  1. Amornar o óleo de côco (que é sólido abaixo dos 25ºC) e misturar com os restantes ingredientes.
  2. Colocar a mistura numa embalagem, de preferência reutilizável, e deixar arrefecer.

De notar que, se o tempo estiver quente, o desodorizante fica líquido, pelo que o melhor é guardá-lo no frigorífico, e tirá-lo algum tempo antes de utilizar. Eu tiro-o de manhã, logo que acordo, e levo-o para a casa de banho. O calor do banho é suficiente para que o desodorizante comece a derreter ligeiramente e seja fácil a sua aplicação.

Espero ter-vos encorajado a fazerem mudanças positivas na vossa vida. Por vocês e pelo ambiente!

You may also like...